Resíduos Sólidos

16/07/14

Desde 2003, a Fundação Banco do Brasil atua na cadeia produtiva de resíduos sólidos com a inclusão social dos catadores de materiais recicláveis em ações de geração de trabalho e renda e de educação, e apoia a melhoria das condições de trabalho de catadores de materiais recicláveis. As ações promovem o fortalecimento dos empreendimentos econômicos solidários dos catadores, com investimentos em formação e capacitação para a autogestão, infraestrutura (galpões, máquinas, equipamentos, veículos), assistência técnica, assessoramento e consolidação de associações e cooperativas de catadores de materiais recicláveis, e fortalecimento de redes de comercialização.

Além das iniciativas apoiadas na cadeia de resíduos sólidos concentradas no Projeto Cataforte, a Fundação BB também atuou em parceria com o Banco do Brasil, Agência Nacional das Águas (ANA) e WWF-Brasil no Programa Água BrasilNa primeira etapa, o programa estimulou a mudança de comportamento e valores em relação à produção e destino dos resíduos sólidos, além de outros projetos que tinham aderência à implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, no meio urbano.

  

   Cataforte - logo

Saiba mais sobre o Projeto Cataforte, que faz  parte do Programa Pró-Catador.

Além disso, foram disseminados a reciclagem e consumo consciente para promover a gestão integrada dos resíduos sólidos, pautada em três princípios básicos: redução e/ou não geração de resíduos; reutilização e/ou valorização para a reciclagem; e disposição final ambientalmente adequada.

Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, o antigo lixão de Gramacho recebeu em 2013 investimentos sociais de R$ 575 mil e se tornou o primeiro Polo de Reciclagem do País. O novo espaço foi resultado de um convênio entre a Secretaria Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, FBB, Petrobras e o BNDES. São dois galpões voltados para o recebimento, triagem, enfardamento e estocagem de resíduos para venda, que vão empregar, inicialmente, 110 catadores podendo chegar até 500 profissionais.

Outro exemplo da atuação da Fundação BB com Resíduos Sólidos é a Cooperativa de Catadores Agentes Ecológicos de Canabrava (CAEC), cooperativa integrante da Rede Catabahia (BA). Considerada modelo e uma das referências nacionais na disseminação da formação de cooperativas e inclusão social de catadores, conta com uma estrutura para realização de coleta, triagem e processamento e outra unidade de agregação de valor na qual são processados plásticos para produção de garrafas de água sanitária. A água sanitária comercializada reverte-se em renda para os cooperados.  A estrutura dessa cooperativa conta também com unidade de estação digital e caminhões rastreados via satélite.

Os avanços verificados na atuação da Fundação na cadeia de resíduos sólidos ocorrem de forma integrada com as políticas públicas federais, como o Plano Brasil Sem Miséria, instituído pelo Governo Federal; com as legislações vigentes de apoio à inclusão dos catadores (como o decreto nº 7.404/2010 que prevê a priorização de cooperativas e associações de catadores no sistema de coleta seletiva); e com o apoio do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR).

Desde 2013, a Fundação tem atuado na terceira etapa do Projeto Cataforte, que conta com a parceria do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), Secretaria de Governo da Presidência da República (SG/PR), Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Petrobras, Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego (Senaes/MTE), Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Banco do Brasil, além da Fundação.

 

O Cataforte III visa estruturar redes solidárias de empreendimentos de catadores de materiais recicláveis de modo a possibilitar avanços na cadeia de valor e inserção no mercado da reciclagem e garantir a sustentabilidade das redes e o alcance das oportunidades decorrentes da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

  • Compartilhar:
Banner FBB Inclusão que Transforma